A evolução da arte burlesca até a modernidade

Arte das camadas populares entre os séculos XVII e XIX que misturava o cômico e o satírico com a sensualidade, o teatro burlesco visava trazer o exagero, o espanto e o humor misturados com cenas eróticas, revelando temas comuns da sociedade como o ciúme, o adultério e a falsa moral principalmente das elites que eram sempre o foco principal a ser zombado nas apresentações.

Poster de uma peça de teatro burlesco

Poster de uma peça de teatro burlesco

Foto de uma dançarina burlesca

No início e na metade do século XX, o burlesco funcionou como uma fuga dos acontecimentos ruins das épocas como as guerras e problemas os econômicos, levando para os homens das classes operárias e para os soldados um momento de alegria com imagens de mulheres seminuas, misturando inocência e erotismo em posters pendurados nas paredes e nos armários, surgindo dessa prática o termo pin up girls. 

Parede do alojamento de um soldado com poster de pin ups

Ilustração de uma pin up

Ilustração de uma pin up

Essas mulheres tiveram o seu auge principalmente nas décadas de 40 e 50, com imagens de atrizes de Hollywood com corpos cheios de curvas e sensualidade sempre com um pouco de inocência, seja nos atos ou nas expressões. A modelo Bettie Page é até hoje um ícone para as pin ups atuais, se inspirando principalmente nos seus cabelos negros com a franja acima das sobrancelhas.

Marilyn Monroe

Bettie Page

No início dos anos 90, Dita Von Teese reascendeu a performance burlesca com apresentações e fotos relembrando o erotismo e a fantasia por trás do “mostra e não mostra”, comfigurinos cheios de penas, strass e glitter, trazendo em seus shows um pouco de perversão e obscenidade sempre com sofisticação e nostalgia de uma época onde os cabarés e os teatros eram o auge do entretenimento.

Capa do livro “Burlesque and the art of Teese”, com Dita Von Teese na capa

Famosa performance de Dita Von Teese na taça de martíni

No Brasil o cenário burlesco está sendo cada vez mais reconhecido e há dançarinas burlescas de grande destaque como a Sweetie Bird e a Fascinatrix que fazem dessa arte um estilo de vida e que apesar de não poderem viver apenas das apresentações, conseguem enxergar o burlesco em todo lugar através das cores, das foras e dos adereços que encontram nas ruas.

Sweetie Bird

Fascinatrix

Para essas mulheres, a sensualidade e o erótico vêm da fantasia e do lúdico através das poses e performances que encantam os seu espectadores e faz essa arte continuar existindo mesmo na época onde a internet, o cinema e a televisão reinam e deixam pouco espaço para o teatro.

Estilo de Amy e um pouco de história

As roupas de Amy tinham influências das décadas de 50(o final dela), 60 e do estilo pin-up. Na década de 50, valorizava-se a cintura marcada, a silhueta feminina, a maquiagem valorizava o olhar com sombras, rímel, lápis para os olhos e sobrancelhas, além do delineador, indispensável para finalizar a maquiagem. No final da década de 50,ao som do rock’n’roll, a simplicidade e a praticidade nas roupas ganharam destaques e as meninas passaram a usar calças cigarretes até s tornozelos, sapatos baixos e jeans. Na década de 60, o foco da maquiagem ainda estava nos olhos, sempre muito marcados, as perucas ganharam foco e surgiram os vestidos tubinho. A lingerie se adequou à necessidade das mulheres, com calcinhas e meia-calça, dando conforto e segurança para usar mini saias. O estilo pin-up aderia à sensualidade, roupas justas, com cintura marcada e decotes. Atualmente, as mulheres que aderem ao estilo pin-up usam roupas retrô, tatuagens, delineador, batom vermelho e penteados da época.

Podemos ver referências desses estilos nas roupas da cantora, com o delineador bem ousado, roupas justas, peruca, bastante tatuagens, variava entre o salto alto e a sapatilha, além da feminilidade.

O estilo ousado, com músicas cheias de emoção farão falta, mas deixa uma lembrança na mente dos fãs. Adeus Amy.

Anos 5o

Anos 60

          Pin-ups

                                                                      Amy Winehouse